A adaptação do espaço a sua função parece algo que sempre esteve conosco. Mas nem sempre esteve. Mesmo assim a noção da organização de um espaço para sua funcionalidade traz respeitabilidade e concede valor agregado ao produto ali exposto. Isso significa que um comerciante deve sempre desenvolver e adquirir mobiliário adequado a cada a sua proposta comercial, e isso significa que este deve estar em equilíbrio com o produto a ser convertido para o cliente.  Seja esse produto, balcões de madeira, baleiros, estantes colmeia, um balcão desktop, armários de vidro ou expositores.expositores_2

Esse tipo de decisão traz sensação de segurança ao cliente e estabilidade ao comerciante, está última a função primária do mobiliário.

Quando as coisas passam a ser estáveis

A partir do momento em que a espécie humana passa a possuir habitação fixa, deixa de ser nômade, a história do mobiliário desenvolve-se.   Desde então é possível traçar a evolução humana com base a criação de mobiliário adequado a sua sobrevivência, a seu conforto e chegando ao ponto de que ele possa escolher diversos tipos de móveis, de acordo com seu gosto e sua necessidade. Ou simplesmente por motivos decorativos:  no decorrer de sua presença no mundo, o mobiliário foi se desenvolvendo em conformidade as necessidades humanas, a tecnologia disponível e a sua estética a que a sociedade submete a si mesma.

Disso é possível inferir que sua qualificação é bastante variada adequando-se à região e a momento, tanto que é possível fazer divisões por períodos ou estilos podem ser contidos razoavelmente na história da arte.

Nesse escopo é que o mobiliário comercial se insere basicamente com a escola Bauhaus.

Funcionalidade e beleza: o design

A Staatliches-Bauhaus alemã, a primeira escola de design do mundo, ensinava artes plásticas e arquitetura de vanguarda, sendo uma das maiores e mais admiráveis demonstrações do chamado Modernismo no design e na arquitetura.

Tão variada nos métodos quanto em objetivos essa escola passou por diversas alterações em seu perfil de ensino na medida em que se desenvolveu. No entanto, é possível perceber que sua grande meta como instituição de ensino era o de unir artes, artesanato e tecnologia.

Mobiliário Comercial

Dessa proposta é que temos a produção de um mobiliário comercial que tenta unir funcionalidade e beleza artística, que pode ser representado e verificado em várias peças. Destaca-se aqui a gondola de supermercado

Uma gôndola de supermercado é móvel disposto geralmente em uma parede para exibir produtos ao consumidor que visita um estabelecimento. Devido a suas dimensões fazem uso notadamente nas grandes superfícies de autossuficiência e são longitudes do principal componente do linear. Usualmente, esse móvel é formado por dois postes, em que se dispõe painéis verticas. Estes painéis contam com orifícios, de uns 15-30 milímetros de diâmetro. De tais orifícios se ganchos para colocar os produtos ou bandejas. Cada gancho ou bandeja da gôndola colocar com uma folha para colocar os preços do produto correspondente. O uso de tais orifícios permite modificar a disposição dos produtos de acordo com um plano. Esse móvel não tem qualquer função além da comercial, mas conjuga no ambiente comercial um ambiente limpo, organizado e que traz sensação de cuidado e esmero, importante para aqueles que possuem negócios ligados a produtos alimentícios, por exemplo. Outras gondolas transmitem esse tipo de segurança sejam elas gondolas de vidro, gondolas centrais ou de gondolas de madeira, visto que existem designs para os mais diferentes produtos.