Quando falamos em arquitetura, sempre pensamos em uma residência ou em um grande projeto público. No entanto, as lojas também são espaços que precisam ser cuidadosamente arquitetados, pensando não apenas na atratividade estética, mas também na funcionalidade do ambiente. Uma loja bem arquitetada atrai clientes e faz com que se sintam confortáveis enquanto a visitam. Em contrapartida, a falta de planejamento pode fazer com que os clientes saiam do ambiente o quanto antes, ou sequer entrem no ambiente.

Diante dessa importância, confira algumas dicas para usar a arquitetura a favor dos negócios:

Ajuda especializada

Muitos lojistas se julgam completamente aptos a organizarem a estrutura de suas próprias lojas. De fato, eles possuem conhecimento sobre o comportamento dos clientes e sobre os produtos que comercializam. Porém, é preciso ter noções mais específicas de marketing e arquitetura para organizar a loja de forma funcional. É possível se inspirar em lojas de sucesso, mas não se deve esquecer que cada negócio possui uma dinâmica única, e o que funciona para uns pode não surtir o mesmo efeito para outros.

Além dos arquitetos e decoradores, há empresas especializadas em expositores e outras estruturas para lojas que podem oferecer orientações bastante vantajosas. Consulte esse tipo de profissional antes de agir por conta própria.

Fachadas e vitrines

Assim como o rótulo de um produto, a fachada de uma loja pode transmitir muitas sensações a quem a observa, como aconchego, simplicidade, sofisticação, organização – ou os seus opostos: bagunça, complexidade, desorganização. Isso leva o consumidor em potencial a muitas conclusões sobre a empresa, influenciando diretamente sobre sua vontade de entrar ou não no ambiente. Por isso, pense bem na mensagem que você deseja comunicar e mantenha a fachada sempre limpa e atraente. Da mesma forma, mantenha as vitrines atualizadas, de preferência levando em consideração as datas especiais, como dia das mães e natal, por exemplo. Vitrines criativas, podem ser o maior convite que alguém pode receber para visitar a loja.

Organização da exposição dos produtos

Assim como as vitrines, os produtos em exposição servem para aguçar nas pessoas a curiosidade pela loja. No entanto, é preciso controlar a quantidade de produtos em exposição, deixando o consumidor com um “gostinho de quero mais”. Além disso, não se pode colocar tantos produtos em exposição na loja, de modo que a circulação de pessoas seja comprometida. É essencial criar hierarquias e categorias para organizar os produtos, de modo que estejam em fácil acesso ao público ao qual se destinam, sejam crianças, homens, mulheres ou idosos.

A importância da arquitetura de lojas

Infraestrutura

Além da disposição dos produtos, é necessário pensar nas instalações gerais da loja, como poltronas para descanso, iluminação, controle térmico etc. Algumas lojas precisam de provadores e todas precisam de um bom balcão de vidro para atendimento e pagamentos. Certifique-se de que cada um destes itens tenha tamanhos adequados e esteja estrategicamente posicionado, de modo a facilitar a circulação das pessoas. Lembre-se de que há pessoas idosas, crianças, obesos e pessoas com deficiência que podem visitar a loja, e é preciso estar pronto para atendê-los.

Identidade Visual

Além da estética, cada item que compõe a loja deve representar a marca e seus valores. É preciso que o ambiente reflita o estilo particular da marca, seja de leveza, sofisticação, simplicidade ou requinte. É importante que todos esses valores e essa identidade dialoguem diretamente com o público, para que sejam atraídas as pessoas certas, com maior possibilidade de comprar algo. Em caso de diferentes filiais, lembre-se de manter uma unidade visual que as identifique como pertencentes a uma mesma rede, fortalecendo sua imagem nas mentes dos consumidores.