Em um mundo que como dizia uma música “os jovens desfilam nas ruas, como se fossem passarelas” não poderia haver um móvel mais adequado do que araras, sejam elas de chão ou araras de parede. Veja bem que os jovens constantemente estão mudando de endereço e é bastante caro o translado de móveis grandes e pesados, que são de difícil montagem e remontagem.

Mas aqui se apresenta a dúvida de como melhor organizar as roupas nesse móvel tão singular, tão conhecido e que é pouquíssimo achado em residências.  Assim sendo pensamos alguns pequenos conselhos para melhor nos adequarmos as novas possibilidades de organização do lar, tiradas das passarelas.

Araras

Eu sei, mas é necessário de um dia para isso

Fazer uma arrumação quando se tem tempo, é não fazer nenhuma inovação. Ao usar arara, você precisa de tempo para organizá-la e para isso precisa primeiro tirar suas roupas do antigo móvel e descobrir o que está afinal lá. Organizações são como paixões a primeira vista: repentinas, brutais deliciosas e definitivas. E um dia para pensa-las é o mínimo que se espera.

Aprender o desapego é aceitar com o que se importa realmente

Arrumar roupas é, em verdade, rearranjar como você pensa a si mesmo. Não mova roupas pensando que um dia vai usá-las. Se não as está usando agora, nem as usou nunca, a possibilidade de isso acontecer no futuro é mínima. Assim você também pode deduzir quantos cabides são necessários para a arara que está usando, se vale a pena colocar a arara de parede ou a arara móvel e até que cores ficam melhores para seu estilo: preta, branca ou mesmo cromada. Organizar o que se tem parte do princípio do que se quer manter.

Roupas e araras também são partes da estética espacial do seu cômodo

Ter noção de proporcionalidade é necessário. Mudar de ambiente ou mudar o próprio ambiente nos dá oportunidade de perceber o quanto se tem, e o que quer se manter. Tire todas as suas roupas e as organiza, e pense: como a disposição dessas cores vai ficar no seu ambiente? Qual cor de arara de roupa fica melhor com a pintura do quarto. Visualize os objetos e o quarto e use sua imaginação.

Pense na funcionalidade e personalidade

Leve em conta o dia a dia e não a categorização clássica de que roupas não devem estar em locais como sala ou mesmo na entrada: seus entes queridos é que vão até sua residência e eles conhecem você e seu estilo. Coloque blusas, toucas, chapéus e cômodas de sapatos na saída, assim como um espelho de corpo todo. Roupas elegantes como vestidos e ternos em locais mais discretos e reservados. Separe suas roupas por ocasião, fazendo uso de cabides, separadores ou separe por cores e estações.

Os favoritos sempre ajudam a orientar as outras opções

Todos têm algumas roupas que tem mais afinidade. Uma camiseta, um tênis, um chapéu, um boné, uma calça ou um vestido.  Esse é o seu norte. As roupas que você tem mais simpatia indicam o estilo que você pode orientar o resto das roupas em sua arara. As cores, as texturas, os tecidos, todos eles dizem muito sobre você. Essas dicas ajudaram você em sua empreitada, seja uma nova casa, uma nova forma de ver sua casa e, é claro, sua nova forma de ver a si mesmo/mesma em sua intimidade.